NOTÍCIAS RÁPIDAS
NOTÍCIAS

Quase metade da população do Acre vive na linha de pobreza, aponta IBGE nos governos petistas

06/12/2018
Fonte: G1

Ao todo, 47,7% dos acreanos são pobres e 17,4% enfrentam a extrema pobreza. Síntese de Indicadores Sociais foi divulgada pelo IBGE nesta quarta-feira (5).

 

Quase metade da população do Acre está na linha de pobreza, conforme a Síntese de Indicadores Sociais (SIS), divulgada nesta quarta-feira (5) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Os dados mostram que 47,7% dos acreanos viviam em situação de pobreza em 2017.

 

Apesar do número alto, a pesquisa apontou que a situação de pobreza no Acre se manteve estável. Em 2016 o percentual de pobres era de 47,6% e no ano passado 2017 esse número se elevou minimamente para 47,7%.

 

O IBGE considera na linha de pobreza quem possui rendimento inferior a US$ 5,5 por dia, o que corresponde a cerca de R$ 406 por mês. Essas linhas foram definidas pelo Banco Mundial para acompanhar a pobreza global.

 

É considerada em situação de extrema pobreza quem dispõe de menos de US$ 1,90 por dia, o que equivale a aproximadamente R$ 140 por mês. No Acre, proporção de pessoas vivendo na extrema pobreza era de 17,4%.

 
 Pesquisa mostra que 8,5% da população não têm acesso a banheiro de uso exclusivo  — Foto: Francisco Rodrigues Pedrosa/Arquivo Pessoal

Pesquisa mostra que 8,5% da população não têm acesso a banheiro de uso exclusivo — Foto: Francisco Rodrigues Pedrosa/Arquivo Pessoal

 

Em toda a região Norte, 11,8% da população vivia em situação de pobreza extrema. Além do Acre os estados do Amazonas, Pará, Amapá, Piauí, Ceará, Alagoas e Bahia também tinham quase metade da população pobre.

 

Em apenas um ano, o Brasil passou a ter quase 2 milhões de pessoas a mais vivendo em situação de pobreza. De acordo com a pesquisa, em 2016 havia no país 52,8 milhões de pessoas em situação de pobreza no país. Este contingente aumentou para 54,8 milhões em 2017, um crescimento de quase 4%, e representa 26,5% da população (em 2016, eram 25,7%).

 

Falta de banheiro e condições de moradia

 

A pesquisa do IBGE também apontou que o Acre tem o maior índice de ausência de banheiro de uso exclusivo do domicílio, no to tal a cada mil pessoas 18,3 não tinham acesso, ou seja, 8,5% da população.

 

Na capital a proporção a cada mil pessoas é de 2,5 não têm acesso a banheiro exclusivo e com condições adequadas. A porcentagem da falta de acesso em Rio Branco é de 23,4%.

 

Além disso, 14,3% dos acreanos informaram que tinha gastos excessivos com aluguel. Em Rio Branco o percentual é ainda maior, total de 15,1%.

 

Os dados do IBGE mostram ainda que 20% da população tinha moradias com paredes externas construídas com materiais não duráveis. No total de pesquisados, 15,9% informaram que tinham ao menos uma inadequação em casa.

 
No Acre, 6,1% da população não tem coleta de lixo. Outros 4,2% não tem abastecimento de água — Foto: Reprodução/Rede Amazônica

No Acre, 6,1% da população não tem coleta de lixo. Outros 4,2% não tem abastecimento de água — Foto: Reprodução/Rede Amazônica

 

Falta de saneamento

 

A cada mil acreanos quase 24 não tinham coleta de lixo direta ou indireta, total de 6,1%. Na mesma proporção, a média de 48,1 não tinha acesso ao abastecimento de água pela rede geral, somando 4,2% da população.

 

Outro dado destacado é a ausência de esgotamento sanitário e rede coletora pluvial. No Acre, a cada mil pessoas 68,4 informaram que não tinham esgoto.

 

Distribuição de renda por raça

 

No Acre, 85,3% das pessoas pretas ou pardas estão entre os 10% com menores rendimentos em 2017. Já os brancos representam 14,1% da população com menor rendimento.

 

Já entre os 10% com maiores rendimentos os brancos representam 31,8%, enquanto os pretos e pardos somam 67,7%. O número é menor que o registrado em 2016, quando os pretos e pardos representavam o valor percentual de 69,9%.

FACEBOOK