NOTÍCIAS RÁPIDAS
NOTÍCIAS

MP denuncia a tribunal promotor que atuou no Nortão por 10 crimes incluindo dirigir bêbado e desacatar policiais

07/06/2018
Fonte: Sõ Noticias

O Ministério Público do Estado informou, hoje, que encaminhou ao Tribunal de Justiça denúncia contra o promotor de Justiça substituto, atualmente afastado das funções, Fábio Camilo da Silva, pelos crimes de falsidade ideológica, tentativa de estupro, injúria racial, ameaça, dano ao patrimônio, abuso de autoridade, apropriação indébita, condução de veículo automotor com capacidade psicomotora alterada, ato obsceno e contravenção penal de vias de fato. Alguns destes crimes foram cometidos no Nortão. Ele é acusado de dirigir bêbado, entre Terra Nova do Norter e Guarantã do Norte, desacatar e ofender policiais militares e ser preso.

 

"Na denúncia, foram apontados sete fatos envolvendo o promotor. O primeiro diz respeito a inserção de informação falsa em correspondência eletrônica com o propósito de justificar a ausência de manifestação em um auto de prisão em flagrante. Também é acusado de dirigir embriagado e atropelar um morador da cidade que é deficiente físico, além de se apropriar de uma mochila contendo vários pertences de um rapaz que o acompanhava quando estavam ingerindo bebida alcoólica. A denúncia inclui ainda a acusação da prática de abuso de autoridade contra um policial Militar, depredação da sede de uma emissora de televisão e ameaças contra o funcionário de um hotel", informa o MP.

 

Além da condenação pelos crimes praticados, o -Núcleo de Ações de Competência Originária- NACO Criminal- requer a reparação dos danos causados, a perda do cargo público eventualmente ocupado e a instauração de incidente mental, tendo em vista os laudos periciais apresentados no decorrer da investigação.

 

Conforme Só Notícias já informou, na esfera administrativa do MP, o Conselho Superior do Ministério Público decidiu no dia 19 de abril, por unanimidade, pelo não vitaliciamento e consequente exoneração do promotor Fábio Camilo da Silva mas a decisão ainda é passível de recurso.

FACEBOOK