Jregional

NOTÍCIA

Data: Terça-feira, 15/09/2020 00:00

Ministério Público Fala de Ações Sobre Os Últimos Acontecimentos Na Cidade De Juína.

Fonte: Metrô FM

O promotor Marcelo Linhares esclarece que o loteamento pantanal é uma área pública. Em 2018/2019 aquela área sofreu uma reintegração de posse e isso causaria a expulsão de muita gente causando um problema social.

 

Para que isso não acontecesse foi estipulado pela Lei n. 13.465/2017 que possibilita o município fazer negócio direto para aquele que construíram suas residências ou adquiriu, antes do dia 22 de Dezembro de 2016, significando que aqueles que construíram ou compraram depois, infelizmente vão ter que concorrer na licitação.

 

Outra questão que foi levantada é sobre a fiscalização da água tanto no quesito abastecimento, quanto a tratamento de esgoto, e Marcelo explica que em relação ao centro de tratamento de esgoto os fiscais já fizeram a coleta, mandaram para a capital e logo se obterá respostas concretas sobre o caso.

 

 Já em relação ao fornecimento água, os moradores fizeram um abaixo assinado denunciando a falta de abastecimento de água e levaram até o Ministério Público.

 

O Promotor de Justiça Marcelo Linhares fala que recebeu o baixo assinado dos moradores denunciando a falta de água, e fez a notificação ao município sobre tal fato e espera resoluções rápidas, para não acontecer como ao caso do cemitério.

 

Uma Situação preocupante aconteceu na UPA 24h, Marcelo conta que solicitou uma ação da vigilância da sanitária do Estado na unidade de pronto atendimento.

 

Desde 2017 houve um acordo para a regularização referente a alguns problemas de estrutura, problemas de contaminação entre outros, na época foi sanados alguns dessas situações irregulares e o MP já estava dando por encerrado a questão, mas com a Pandemia, chegaram até a promotoria algumas reclamações de alguns funcionários sobre EPI, manuseio errado de medicamento e procedimentos sem máscaras.

 

Então a Promotoria entendeu por bem, fazer nova fiscalização e a vigilância sanitária estadual veio de Cuíaba para fazer o procedimento e novamente foram constatadas irregularidades, boa parte ligada ao Covid-19, mas algumas que não tem cabimento como: medicamentos vencidos, esterilização de forma incorreta, e risco de contaminação devido à estrutura criada na da UPA 24h, para atendimento ao coronavírus, em razão de não ter outro lugar para esses tipos de procedimento.

 

Situação esta irregular, por falta de equipe medica para atender os pacientes.

 

Às vezes o médico tem que parar um procedimento de triagem ou atendimento, para ter que se paramentar rapidamente com os equipamentos de proteção para atender a um paciente com covid passando mal. Então é bem complicado.

 

Após a fiscalização a vigilância ligou para a promotoria informando que o caso seria de interdição, o que preocupou muito, por que o que seria das pessoas acidentadas ou aquelas que precisassem de atendimento urgente e aqueles que se encontram internados ali.

 

Então o ministério deu um curto prazo para a regularização dessas situações, 24 horas para o descarte de remédios vencidos o que segundo eles já foi feito e esperamos que eles realizassem o mais rápido possível as outras questões ou da próxima vez a vigilância não irá precisar ligar para a promotoria, será caso de interdição imediata.